Dia, hora, local, vestido, decoração, convidados, músicas, buffet. Nenhum destes tópicos é mais importante que a apresentação de dança dos noivos, o momento mais esperado, indispensável, em que todos os olhares se fixam no casal.  Casar sem dançar é principalmente encantar, está fora de moda.

Para os noivos, a escolha difícil está no ritmo e na música da coreografia. Tradicionalmente, a valsa. Atualmente, o dirty dance, que mistura calor e romance. Outros estilos também ganham espaço na cerimônia como: bolero, tango, salsa, samba e o zouk. Neste último, a paixão e a sedução prevalecem.

Um momento de entrega, magia e claro, muita técnica. “Para dançar é necessário boa vontade e um pouco deconsciência corporal.” O segundo requisito vem com a experiência e as dicas de um profissional. Ele irá preparar o casal para desenvolver o ritmo, a harmonia e a cumplicidade diante dos convidados”, explica o professor de dança do Estúdio Dança dos Noivos, Alcides Neto.

Para fazer bonito na primeira apresentação como marido e mulher recomenda-se aulas de dança com no mínimo três meses de antecedência. Os artistas plásticos Lidia Saczkovski de Souza e Malaliel José de Souza estão juntos há 25 anos e escolheram dançar tango. A música: El dia em que me quieras. A dificuldade: dançar um ritmo difícil e estrangeiro. Para eles, a dança perfeita é envolvente. “A música tem que falar pelos noivos. Mesmo que o erro aconteça não podemos demonstrá-lo. Gostamos tanto que continuamos as aulas de tango, agora com mais calma e sem pressão”, desabafa Lidia.

Depois de definir o tema, a música e o ritmo, e ensaiar muito, o casal está pronto para o show, para eternizar o momento, receber os aplausos e sair em lua de mel.

Consultoria
Estúdio de Dança dos Noivos – Taise Verdério